Home > Mosaico > Você se preocupa com a segurança e saúde do seu pet?
Mosaico

Você se preocupa com a segurança e saúde do seu pet?

Pesquisa encomendada pela Bayer ao IBOPE inteligência busca conscientizar a população sobre a importância da posse responsável de um animalzinho de estimação

04.10.2019 - Por Bayer Jovens

O que não faltam nas redes sociais são demonstrações de carinho pelos animais de estimação, principalmente cães e gatos. Porém esse amor precisa incluir os cuidados essenciais de prevenção de acidentes, algo que nem sempre é colocado em prática e que também faz parte da demonstração de afeto em relação a esses companheiros do dia a dia. Essa foi a constatação da pesquisa que acaba de ser feita pelo IBOPE Inteligência por encomenda da Saúde Animal da Bayer.

Você se preocupa com a segurança e saúde do seu pet?

"Hoje, os animais de estimação trazem inúmeros benefícios para os seus tutores, como o carinho a uma pessoa idosa, que já não mora mais com a família, ou a companhia durante uma caminhada, por exemplo. Com esta parceria com o IBOPE, nós queremos reforçar a importância deste cuidado mútuo, conscientizando a população sobre a responsabilidade dos tutores pela saúde, alimentação e segurança dos seus pets", explica Fernanda Frantz, Gerente de negócios de animais de companhia da Saúde Animal da Bayer.

De acordo com o estudo, 76% dos entrevistados não fizeram nenhuma adaptação na residência para prevenir acidentes domésticos com animais de estimação, e apenas 35% aplicam preventivamente produtos contra pulgas e carrapatos antes da identificação do problema. Isso significa que uma parcela considerável dos donos de pets desconhece o que deve fazer para manter o animal seguro e saudável ou não tem consciência de suas responsabilidades como tutores.

"Muitas vezes os tutores não consideram fatores importantes para a proteção do pet e medidas simples, seja no ajuste do local em que esse animal irá morar ou a ida regular ao médico veterinário. Os animais estão em posição de destaque na composição familiar, por serem considerados mais um membro dela, então estar alerta nesses itens também é um sinal de carinho e atenção", completa Fernanda Frantz.

A pesquisa, de caráter inédito, foi divulgada na véspera do Dia Mundial do Animal, celebrado em 4 de outubro (confirmar se já houve a publicação). Na mesma data, a Bayer criou o Dia do Bem-Estar Animal, com a intenção de destacar a importância da saúde de todos os animais, tanto os domésticos como os de fazenda e os que vivem na natureza.

A iniciativa da empresa se justifica, principalmente, pelo rápido crescimento da população de pets no Brasil. Segundo o Instituto Pet Brasil, em 2018 havia no país 139,3 milhões de animais de estimação, principalmente cães (54,2 milhões), seguindo-se aves (39,8 milhões), gatos (23,9 milhões), peixes (19,1 milhões) e répteis e pequenos mamíferos (2,3 milhões). Nos últimos seis anos, o número de gatos cresceu 8,1% e o de cães, 3,8%. A Região Sudeste, sozinha, concentra quase a metade desses animais (47,4%), enquanto o Nordeste registra 21,4%, o Sul 17,6%, o Centro-Oeste 7,2% e o Norte, 6,3%, ainda de acordo com o Pet Brasil.

Com números tão impressionantes, é importante entender como esses animais estão sendo tratados por seus donos, que têm a responsabilidade de cuidar de sua saúde e de sua segurança. Nesse sentido a pesquisa da Bayer e do IBOPE Inteligência chegou a alguns resultados surpreendentes – e preocupantes. Apenas 28% das pessoas que têm gatos e 19% das que têm cães, por exemplo, instalam telas nas janelas. E uma parcela ainda menor (16%) disse ter alguma atenção para perigos domésticos, como restringir o acesso dos animais a objetos e substâncias que oferecem risco à sua segurança e saúde.

Isso acontece mesmo com a constatação de que os acidentes domésticos com pets são mais frequentes do que se pensa: 16% dos donos tiveram problemas com a ingestão de substâncias tóxicas como produtos de limpeza, higiene, remédios, plantas ou objetos, e todos eles relataram que não haviam feito adaptações preventivas na residência. Além disso, 10% dos entrevistados disseram que seus animais de estimação sofreram acidentes como quedas de lugares altos, como janelas.

Em relação à pequena proporção de donos que utilizam medicamentos veterinários de forma preventiva, Ana Leticia Gulin, gerente de marketing de Saúde Animal da Bayer no Brasil, alerta: “O tutor precisa sempre fazer consultas ao veterinário e aplicar produtos contra pulgas e carrapatos, por exemplo, antes de ser identificada a contaminação do animal. A preocupação principal é que, ao picar, o inseto pode transmitir doenças para o pet que podem atingir toda a família”.

Ana Letícia explica que a decisão de encomendar a pesquisa faz parte do programa Tratar Bem, da Bayer, que tem o objetivo de disseminar práticas que atendam às necessidades dos animais de estimação, que fazem tão bem a tanta gente. “A parceria com o IBOPE reforça este propósito: conscientizar os brasileiros sobre a responsabilidade dos tutores não só pela saúde e alimentação, mas para a segurança e afeto dos seus pets”, acrescenta.

Bayer Jovens