Home > Mundo Agro > Tomate: bem mais do que parece
Mundo Agro

Tomate: bem mais do que parece

Essa incrível e surpreendente fruta originária das Américas está presentes nas mais diferentes dietas e possui centenas de variedades

16.08.2017 - Por Bayer Jovens

Pode parecer exagero, mas é verdade: de acordo com a revista norte-americana de divulgação científica Scientific American, nada menos do que 7 mil tipos de tomate são cultivados ao redor do mundo, em centenas de variedades. E essa é apenas uma das surpreendentes características dessa fruta – sim, é uma fruta, uma das poucas temperadas com sal, assim como são frutas a berinjela, a abobrinha e o pimentão.

O tomate também tem uma longa e rica história. Originário das Américas, provavelmente do período da civilização inca, nasce em diferentes formas e tamanhos, pode ser vermelho, verde, dourado, amarelo e até roxo escuro e serve para comer cru em saladas, assado, em sopas e como ingrediente de molhos e acompanhamentos. Está presente tanto no ketchup dos cachorros-quentes e hambúrgueres norte-americanos como nas massas e pizzas italianas e nas cozinhas da Nigéria, Espanha, Turquia e da maioria dos demais países.

Assim, democraticamente, faz parte da dieta dos adeptos do fast food e dos vegetarianos mais radicais. Para completar essa longa relação de qualidades, o tomate contém as vitaminas C, A e do complexo B, mais cálcio, potássio, fibras, proteína e antioxidantes como ômega-3 e ômega-6.

Dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) mostram que mais de 160 milhões de toneladas de tomates são produzidas no mundo a cada ano, principalmente na China, responsável por 30 milhões de toneladas anuais, seguindo-se a Índia, com 17 milhões. O Brasil está em nono lugar nesse ranking, com produção em torno de 3,9 milhões de toneladas.

A cadeia do tomate é tão complexa quanto o gosto de cada consumidor, e existem estudos feitos especialmente para detectar preferências específicas em cada região do mundo. Uma dessas pesquisas foi conduzida na Universidade da Flórida e, segundo um de seus autores, o biólogo Harry Klee, a escolha de um tipo de tomate por determinado país está diretamente relacionada à maneira como a fruta é usada na cozinha.

José Antonio Salinas Reyes, gerente de vendas de sementes da Bayer na Espanha, explica algumas dessas diferenças: “Os desejos de nossos clientes italianos e turcos, por exemplo, não podem ser comparados. Na Turquia, os principais valores são a cor e a forma perfeitamente redonda. Mas, na Itália, a única exigência é o gosto”.

A Bayer entende de tomate e aperfeiçoa e comercializa sementes de variedades como a Marinda, bem pequena, e a Seyran F1, de cor vermelha e sabor intenso. No Brasil, no segundo semestre do ano passado foi lançado o projeto itinerante Sementaria, iniciativa da Bayer Vegetable Seeds para comemorar os 100 anos da marca Nhunhems, de sementes de hortaliças. Um caminhão percorreu os principais polos produtores de tomates nos estados de São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, carregado de sementes, para compartilhar experiências e projetos de inovação com os agricultores e mostrar variedades 100% brasileiras como a totalle e a arendell.

O objetivo da Bayer é estimular a produção de tomate e divulgar as técnicas de cultivo capazes de melhorar a qualidade e aumentar a produtividade – tudo para os brasileiros possam desfrutar cada vez mais as qualidades dessa incrível e surpreendente fruta.

Bayer Jovens