Home > Inovação > Tecnologia: o que vem por aí
Inovação

Tecnologia: o que vem por aí

Inteligência artificial e inovação na saúde se destacam em evento que reuniu startups e grandes empresas no Vale do Silício

11.05.2018 - Por Bayer Jovens

É para lá que pessoas de todo o planeta - ou pelo menos aquelas que amam tecnologia e possuem uma ideia genial para mudar o mundo - querem ir. O Vale do Silício, atualmente o berço mundial da tecnologia, abriga entre 12,7 mil e 15,6 mil startups em atividade, emprega mais de 2 milhões de pessoas e possui um ecossistema avaliado em US$ 264 bilhões, segundo dados do estudo The Global Startup Ecosystem, realizado pela Startup Genome em parceria com a Global Entrepreneurship Network.

Foi no vale famoso, nos arredores de São Francisco, que se realizou em fevereiro a última edição do Startup Grind, evento global do Google que reúne empresas inovadoras com diferentes níveis de maturidade em ações de networking, compartilhamento de experiências e palestras de grandes feras da tecnologia. Neste ano, a conferência para empreendedores contou com nomes como Reid Hoffman (LinkedIn), Gillian Tans (Booking.com), Bradley Horowitz (Google), Marc Tarpenning (Tesla), Tadhg Bourke (Netflix), James Park (Fitbit) e Matt Simon (Wired), entre vários outros.

Sabrina Gallier, fundadora da comunidade mundial de ioga FiitZ e da Nibo, uma startup que oferece serviço de gestão financeira para pequenas empresas e para contadores, acompanhou o evento e destacou, em artigo publicado na revista Época Negócios, algumas das tendências de tecnologia para os próximos anos. Ela disse, por exemplo, que a inteligência artificial vai automatizar todas as tarefas cotidianas, desde o trabalho mecânico de atendimento ao cliente até o desenvolvimento de carros autônomos.

Segundo Sabrina, as empresas que têm acesso a dados devem buscar rapidamente maneiras de utilizá-los de forma inteligente para incrementar seus negócios. “Vários fundos de investimento estão de olho nas startups que têm inteligência artificial no DNA ou estão incorporando essas tecnologias à sua estratégia de negócio”, afirmou a empreendedora.

Ela também se referiu à palestra “Inteligência artificial é a nova eletricidade”, de Andrew Ng, professor adjunto de Stanford, cofundador do Coursera e responsável pela criação do Projeto Google de Aprendizagem Mental Profunda. O pesquisador acredita que, assim como a eletricidade transformou todas as grandes indústrias, a inteligência artificial avança de tal modo que pode revolucionar os principais setores industriais e a própria sociedade nos próximos anos. “Embora exista a percepção de que inteligência artificial é algo que se desenvolveu recentemente, na verdade isso já existe há décadas. Contudo, só está decolando agora devido à sua capacidade de trabalhar com escala de dados e de computação”, afirmou Ng em artigo publicado no site da Universidade Wharton, dos Estados Unidos.

Tecnologias dedicadas à área da saúde também estiveram na pauta do evento, como parte dos temas que devem concentrar as principais tendências no futuro próximo. Sabrina diz que a busca de avanços na saúde é vista por várias startups como uma grande oportunidade de inovação. A facilidade em coletar dados, associada à machine learning (aprendizado automático, ou aprendizado de máquina), acelera o desenvolvimento das pesquisas.

James Park, CEO da Fitbit, disse no evento que espera, em breve, apresentar ao mercado um wearable capaz de detectar quando uma pessoa se torna propensa a desenvolver diabetes, entre outras doenças. Para isso, sua empresa tem trabalhado com médicos e pesquisadores. Recentemente, a Fitbit fechou uma parceria com o Google para aprimorar seus serviços, com foco no compartilhamento de informações aos médicos. De acordo com Park, serão aplicadas interfaces do Google Cloud reveladas recentemente.

Sabrina Gallier também comemorou a diversidade do público que participou do Startup Grind, assistido por muitas pessoas jovens e de diferentes etnias. “Ao que tudo indica, teremos uma bela onda de startups sendo lançadas para resolver problemas de diversas camadas sociais e culturais, com perspectivas e abordagens próprias das questões do mundo moderno”, disse a executiva.