Home > Ciência > Melhorando Vidas > Tecnologia no tratamento do câncer
Melhorando Vidas

Tecnologia no tratamento do câncer

Terapias inovadoras e cada vez mais precisas mudam o cenário de diagnóstico e tratamento da doença

03.02.2020 - Por Bayer Jovens

Hoje em dia, receber um diagnóstico de câncer ainda gera preocupação, mas o avanço científico no tratamento da doença traz esperança para o paciente e seus familiares. No Dia Mundial do Câncer, data instituída em 4 de fevereiro com o objetivo de conscientizar sobre a doença, iniciativas de organizações, governos e empresas orientam sobre sintomas, tratamentos e perspectivas médicas.

A Bayer também tem colaborado para um cenário mais otimista, com importantes inovações. A ascensão das pesquisas genéticas e as novas descobertas sobre a assinatura genética dos tumores mudou a maneira como os cientistas encaram os tumores e sua complexidade. “Isso mudou tudo, do diagnóstico ao tratamento, e fundamentou a criação da oncologia de precisão. Agora, os protocolos de atendimento devem considerar as características do DNA do paciente e das células cancerígenas e não somente a localização ou o tamanho do tumor. Cada paciente, portanto, é único. Por isso, assim também deve ser seu tratamento: único e preciso, de acordo com suas marcas genéticas. Isto é a oncologia de precisão”, afirma o médico oncologista Fernando Santini, do Hospital Sírio Libanês.

Quem vê o pequeno Levy hoje, com 2 anos de idade, brincando com a família em Brasília (DF) e se desenvolvendo normalmente, não imagina que, alguns meses atrás, seu quadro era radicalmente diferente. Para tratar um tipo de câncer chamado fibrossarcoma infantil, o bebê passou por sessões de quimioterapia que o mantinham com um catéter, sem sequer poder tomar sol ou sair para espaços públicos. A primeira dose debilitou tanto seu organismo que ele chegou a ter uma infecção generalizada. A segunda causou uma grave complicação no fígado.

Hoje, seu tratamento se resume ao larotrectinibe, que sua mãe, a médica cardiologista Monique Nogueira, lhe oferece oralmente, como se fosse um xarope comum. Levy é um dos primeiros pacientes brasileiros a utilizar o medicamento. O câncer de Levy, antes considerado gravíssimo, já reduziu em 70%, está estável e, com esse tamanho, já é operável.

O medicamento age bloqueando as atividades do tumor, independentemente do local onde o câncer se manifesta no corpo e é o primeiro que atua sobre mais de vinte tumores diferentes. “Seus resultados são impressionantes. Uma análise em 153 pacientes de três ensaios clínicos em andamento com crianças e adultos virgens de tratamento ou mesmo com vários tratamentos anteriores demonstrou uma taxa de resposta de 79% para diferentes tipos de tumores sólidos, com ausência de progressão da doença em um ano em 67% dos casos”, conta Dr. Santini.

Atualmente, o bebê está saudável e convive com o tumor, graças ao tratamento. O medicamento já foi aprovado para uso no Brasil, com o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em julho de 2019.

A sofisticação científica que hoje ampara o desenvolvimento dos remédios busca também criar opções que assegurem maior qualidade de vida aos pacientes. Esta é outra mudança na forma de combater a doença. A preocupação é oferecer aos indivíduos a possibilidade de viver e tratar-se com menor sofrimento. Um exemplo é a molécula darolutamida que consegue penetrar no interior das células cancerosas e impedir que o tumor continue se desenvolvendo. "Uma vez em seu interior, a daro bloqueia os receptores de testosterona, responsáveis por estimular a produção de proteínas que permitiriam essa célula doente se reproduzir", afirmou o médico uro-oncologista Murilo Luz, em notícia no portal UOL.

Bayer Jovens