Home > Mundo Agro > Sucessão familiar perpetua a paixão pelo campo
Mundo Agro

Sucessão familiar perpetua a paixão pelo campo

Conheça a história da produtora Carla Rossato, que assumiu os negócios do pai e se destacou em gestão, sendo campeã no Prêmio Mulheres do Agro.

02.07.2020 - Por Bayer Jovens

Desde a infância, Carla Sanches Rossato amava ir para a fazenda da família agropecuarista. Era o seu local favorito para brincar e passar as férias escolares. Essa paixão pelo campo continuou forte durante a faculdade, quando ela cursou medicina veterinária e, então, decidiu que sua carreira seria trilhar os mesmos passos do pai. “Eu sempre procurava acompanhar o meu pai, e os meus pais sempre me apoiaram bastante”, conta ela.

No início dos anos 2000, ela teve a carteira de trabalho registrada pelo pai e iniciou oficialmente a sua carreira na fazenda da família, como gerente contratada. Recebia salário e comissão de acordo com os lotes de gado comercializados, levando uma rotina igual às dos outros funcionários da fazenda. “Sempre me cobrei e trabalhei muito. O meu pai sempre me tratou igual aos outros”, conta.

Ela não tinha privilégios por ser a filha do dono da fazenda, mas se sentia valorizada em seu trabalho, e gradativamente conquistou bons resultados e o respeito de todos. “Aos poucos, fui tomando a frente do negócio. Meu pai foi vendo como as coisas estavam caminhando e funcionando. Aos poucos, ele foi ficando tranquilo para descansar cada vez mais e aproveitar a vida”, conta.

O processo de sucessão familiar ocorreu de forma tão natural que a família nem chegou a criar um projeto. Simplesmente o pai passou a delegar novas tarefas para a filha e, há mais de 10 anos, Carla assumiu de vez as operações da fazenda. “A sucessão familiar foi espontânea. Foi uma opção minha, e não uma obrigação. O meu pai é presente, ele está com 74 anos, e hoje é ele quem acaba me acompanhando”, conta ela.

Atualmente, aos 43 anos, Carla é a administradora geral do negócio agrícola da família, cultivando soja e milho na região de Sertaneja e Santa Mariana (PR). Os pais e as duas irmãs de Carla aprovam a sua gestão, o negócio prosperou e encantou outros entes familiares, como o marido de Carla, o cunhado e o sobrinho, que também trabalham na fazenda. “Eu administro as nossas propriedades como uma empresa e não deixo o meu pai de fora, ele acompanha tudo”, conta ela.

Por sua gestão competente, Carla se destacou e foi vencedora do Prêmio Mulheres do Agro em 2019, ocupando o 1° lugar da categoria “grande propriedade”. A terceira edição do prêmio está com inscrições abertas até o dia 15 de setembro de 2020, no site www.premiomulheresdoagro.com.br. Carla terá participação especial no concurso, sendo uma das embaixadoras que vai estimular outras mulheres a contar suas histórias e disseminar boas práticas, por meio da participação no prêmio. “Hoje eu vejo a importância de levar conhecimento e apoiar outros produtores. A troca de informações nos ajuda a evoluir muito”, diz ela.

A paixão pelo campo e a comunicação transparente permitiram que o pai de Carla deixasse a filha assumir as operações da fazenda de forma bem natural. No entanto, muitas famílias podem enfrentar dificuldades na sucessão familiar. Por isso, esse processo não deve ocorrer somente quando o produtor se aposentar ou falecer. A saída imediata do criador do negócio pode desestabilizar as atividades.

O planejamento sucessório evita um dos principais temores dos pais: que algum herdeiro possa dividir ou vender as terras após o seu falecimento. A sucessão permite que o produtor possa planejar o futuro da fazenda, com o objetivo de que o negócio fique vivo para as próximas gerações. Esse planejamento engloba basicamente a estruturação e a organização da sociedade familiar, definindo papéis e funções de cada herdeiro, para realizar uma transição tranquila.

O ideal é que o produtor conte com ajuda especializada para planejar a sucessão familiar. Uma consultoria pode diagnosticar a situação da fazenda e criar um projeto sucessório, estabelecendo contratos, acordos societários e protocolos familiares, por exemplo. Essa organização pode auxiliar até mesmo os produtores que já contam com a ajuda dos filhos e netos nas atividades da fazenda, trazendo mais transparência e equilíbrio para as relações familiares e profissionais.

Os produtores que desejam investir em sucessão familiar podem contar com a ajuda da Bayer, por meio do programa de relacionamento da empresa, que permite o acúmulo de pontos na plataforma Orbia. Os clientes Bayer podem resgatar serviços de sucessão familiar oferecidos por consultorias parceiras da Orbia. Conheça as ofertas disponíveis no site www.orbia.ag.

Bayer Jovens