Home > Saúde > Os fatores de risco da trombose
Saúde

Os fatores de risco da trombose

Às vezes assintomática e sempre perigosa, a doença pode ser provocada por longos períodos sem locomoção, obesidade, gravidez, entre outras causas

11.10.2019 - Por Bayer Jovens

Doença traiçoeira, que em alguns casos não apresenta sintomas, a trombose se caracteriza pela formação de um coágulo no interior dos vasos (artérias ou veias), que interrompe o fluxo de sangue . Em 90% dos casos, o trombo se forma nos membros inferiores, mas pode ocorrer em outras áreas do corpo. Apesar do organismo possuir mecanismos para dissolver naturalmente o coágulo sanguíneo, isso muitas vezes não acontece, e é aí que está o perigo. Se não tratada, a trombose pode evoluir para uma embolia pulmonar, quando o trombo se solta e se desloca até o pulmão -e, nesses casos, o problema pode se tornar fatal.

De acordo com a Sociedade Internacional de Trombose e Hemostasia (ISTH), o tromboembolismo venoso – a combinação das duas doenças, a trombose venosa profunda e a embolia pulmonar – é a causa número um de mortes hospitalares que poderiam ser evitadas. A trombose é diagnosticada, inicialmente, por meio de um exame clínico, com base nos sintomas apresentados pelo paciente. Em seguida, o médico pode solicitar exames como ultrassonografia, exame de sangue, venografia (raio X das veias), ultrassom vascular, tomografia e ressonância magnética.

Para esclarecer a população a respeito da doença que atinge homens e mulheres, além de alertar para seus riscos e formas de prevenção, a ISTH instituiu o 13 de outubro como o Dia Mundial da Trombose. E é preciso ficar atento aos sintomas. Caso perceba alterações como dor, inchaço, sensação de pesoe aumento da temperatura nos membros inferiores, coloração vermelho-escura ou arroxeada e endurecimento da pele na região afetada, procure atendimento médico rapidamente. A enfermidade acomete - a cada ano - cerca de duas a cada mil pessoas, com uma taxa de recorrência de 25%, segundo a Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV).

O objetivo do tratamento da trombose é impedir que o coágulo sanguíneo cresça ou vá para outras regiões do corpo, além de reduzir a recorrência da doença. Para isso existem, por exemplo, os remédios anticoagulantes, que são responsáveis por reduzir a viscosidade do sangue e dissolver o coágulo. Porém, eles só devem ser utilizados com prescrição médica. Em paralelo, há alternativas que podem complementar o tratamento, como massageadores pneumáticos, que são botas acolchoadas que inflam e desinflam automaticamente para estimular a circulação nas pernas, e meias de compressão, que visam melhorar o inchaço causado pela trombose.

Para prevenir a trombose, os especialistas recomendam a prática regular de exercícios físicos, não fumar, manter uma alimentação equilibrada, movimentar as pernas durante longos períodos sentado, como numa viagem de avião ou no escritório, e, sempre que houver orientação médica, usar meias elásticas no caso de insuficiência venosa e medicamentos. Quando o diagnóstico é feito de forma precoce e há tratamento adequado, o trombo tende a se tornar estável ou pode até se desfazer.

Conheça a seguir três fatos essenciais sobre a doença e que você precisa saber:

1. O que desencadeia a trombose?

“O sistema de coagulação do nosso corpo é responsável por nos proteger em caso de sangramentos, e essa proteção acontece por meio da formação de um trombo (coágulo) na região afetada, com a função de bloquear o sangramento. Esse trombo, após um tempo, se dissolve e a circulação volta ao normal – porém, há casos em que eles se formam mesmo quando não há sangramento. É nessa situação que a trombose pode acontecer”, explica o Dr. Marcelo Kalil – Presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular.

A doença é, portanto, desencadeada pela formação de um coágulo sanguíneo em uma ou mais veias, em geral dos membros inferiores, como pernas e coxas. Esse coágulo, chamado de trombo, bloqueia o fluxo de sangue e causa inchaço e dor na região.

2. A doença ocorre apenas nas pernas?

O problema pode se manifestar de três diferentes formas. A mais comum é a Trombose Venosa Profunda (TVP), quando há a formação do coágulo em uma ou mais veias localizadas na parte inferior do corpo – cerca de 90% dos casos de TVP ocorrem nas pernas. De acordo com a Sociedade Brasileira de Angiologia e Cirurgia Vascular, aproximadamente 180 mil pessoas no Brasil desenvolvem o problema anualmente.

Os outros tipos existentes são a trombose arterial, quando trombos se formam nas artérias e as bloqueia, podendo causar um AVC, e a trombose hemorroidária, que acontece quando os trombos se formam em uma hemorroida, na região anal.

3. Como se prevenir

Além do acompanhamento médico, algumas medidas de prevenção são a prática regular de exercícios físicos; não fumar; ter uma alimentação balanceada; movimentar as pernas durante longos períodos sentado, como numa viagem de avião ou até mesmo no escritório; e, sempre que houver orientação médica, usar meias elásticas no caso de insuficiência venosa e medicamentos, caso seja necessário e indicado pelo médico.

Além desses, são também fatores de risco idade avançada, história prévia de trombose venosa profunda, casos de trombose venosa profunda na família, lesões na medula espinhal, traumatismos graves, câncer, insuficiência cardíaca e doenças e condições congênitas e adquiridas.

Bayer Jovens