Home > Mosaico > O sexo na era dos carros autônomos
Mosaico

O sexo na era dos carros autônomos

Estudo feito no Reino Unido indica que as pessoas vão transar – ainda mais – dentro desses veículos que dispensam o motorista

01.03.2019 - Por Bayer Jovens

Quando se tornarem comuns, os carros autônomos vão mudar a maneira como as pessoas trabalham, viajam, se locomovem – e, afirmam pesquisadores do Reino Unido, também como transam. Promover um estudo para descobrir esse fato parece um pouco absurdo, mas o comportamento sexual em si não era o objetivo final do estudo liderado por Scott Cohen, vice-diretor de pesquisa da Escola de Hotelaria e Gestão de Turismo da Universidade de Surrey, na Inglaterra. O insight surgiu durante a análise de vários trabalhos a respeito de cidades e veículos autônomos para identificar tendências em expansão.

No início, a pesquisa de Cohen, realizada em parceria com Debbie Hopkins, da Universidade de Oxford, mostrou que veículos autônomos serão capazes de competir com hotéis e restaurantes. "As pessoas irão dormir em seus veículos, o que trará consequências para esses estabelecimentos. E as pessoas poderão se alimentar dentro de veículos que funcionam como cápsulas de restaurante", explicou o pesquisador em entrevista ao Fast Company.

Análise vai, análise vem, Cohen foi mais além. Queria saber que outras coisas as pessoas fariam em seus carros quando estivessem livres da tarefa de dirigir. O pesquisador se baseou na longa associação entre automóveis e sexo, amplamente representada em muitos filmes sobre a maioridade, e chegou à conclusão que sim, as pessoas vão transar dentro dos carros autônomos.

A "descoberta" de Cohen respalda dados de outro estudo, realizado em 2016 nos Estados Unidos, que mostrou que 60% dos adultos do país já fizeram sexo dentro de um carro pelo menos uma vez na vida. A tendência, acredita o pesquisador, é que, ao não precisar prestar atenção no trânsito, esse número aumente.

O "motel ambulante", porém, ainda demora alguns bons anos para estar em plena atividade. Cohen acredita que somente lá por 2040 será possível confiar cegamente em um veículo autossuficiente. "Em cidades em que a prostituição é legal e os regulamentos permitem que os carros autônomos se desenvolvam, poderemos ver isso acontecendo mais rapidamente. A Europa é um desses lugares", disse o pesquisador.

Até lá, ele espera que a indústria automobilística leve em consideração essa nova demanda – e as outras apontadas no estudo – ao projetar os carros autônomos do futuro. "É claro que o sexo vende, e é provável que isso seja explorado por interesse comercial". O pesquisador também gostaria que os estudos urbanos em geral deixassem de conceituar a vida social somente durante o dia – muitas pesquisas ignoram o que acontece à noite. O artigo de Cohen foi publicado no fim do ano passado, no periódico Annals of Tourism Research.

Publicado em Mosaico
Bayer Jovens