dcsimg
Home > Inovação > Movidos a cerveja
Inovação

Movidos a cerveja

Cientistas britânicos encontraram uma maneira de transformar o etanol presente na bebida em butanol, um ótimo substituto do petróleo

12.01.2018 - Por Bayer Jovens

Entre um gole e outro de cerveja, um grupo de químicos da Universidade de Bristol, no Reino Unido, liderado pelo professor Duncan Wass, descobriu uma maneira de produzir um combustível sustentável usando a bebida feita de malte e lúpulo. Depois de anos de trabalho e muitas tentativas e erros, os pesquisadores finalmente conseguiram converter o etanol presente na cerveja em butanol, uma alternativa, segundo afirmaram, superior à gasolina e ao diesel disponíveis hoje no mercado.

A equipe de Wass utilizou um catalisador – que modifica a velocidade de uma reação química – para transformar o etanol em butanol, mas os primeiros resultados do processo ficaram abaixo da expectativa: a quantidade obtida foi muito pequena. Porém, Wass não desanima. Em matéria publicada no site do jornal britânico Independent, ele afirma que “as bebidas alcoólicas são um modelo ideal para fórmulas industriais de fermentação com etanol”.

O químico britânico explicou: “Se a nossa tecnologia funciona com bebidas alcoólicas, especialmente a cerveja, que é o melhor modelo, então isso mostra que tem potencial para ser ampliada para produzir butanol como substituto da gasolina em escala industrial”. Em outra entrevista, essa ao Daily Mail, Wass disse que “um dos grandes benefícios de usar o butanol como combustível é a possibilidade de abastecer os atuais carros movidos a gasolina com quase nenhuma modificação”. Os pesquisadores acreditam que, se tudo der certo, até 2022 será possível utilizar comercialmente o combustível renovável feito a partir da cerveja.

E a cerveja não é a única bebida que no futuro próximo talvez seja oferecida nos postos de abastecimento. Em Londres, o café já está sendo usado como matéria-prima para a fabricação de um combustível que move alguns dos tradicionais ônibus vermelhos de dois andares que são um dos símbolos da capital inglesa. Em parceria com a multinacional Shell, Arthur Kay, um arquiteto britânico de 26 anos, desenvolveu um produto com baixa emissão de gás carbônico a partir do óleo presente na borra do café. Saiba mais a respeito disso aqui mesmo em Bayer Jovens.

As iniciativas de Kay e Wass são válidas e representam uma ótima alternativa energética sustentável, sem agressão ao meio ambiente. E acontecem em um momento em que o Reino Unido e outros países da Europa – como França e Noruega – e da Ásia (Índia) querem encerrar a era dos veículos movidos a gasolina e diesel para dar lugar aos híbridos e elétricos. A iniciativa faz parte de um plano europeu de combate à poluição do ar. No cronograma oficial, a produção deverá se reduzir de forma gradual até que em 2040 seja definitivamente proibido vender carros a gasolina e diesel. E até 2050 todos esses veículos deverão sair das ruas.