Home > Mosaico > A paixão pelo chocolate revela o sucesso de sua origem do campo
Mosaico

A paixão pelo chocolate revela o sucesso de sua origem do campo

A cacauicultura brasileira produz cerca de 250 mil toneladas de cacau por ano e se destaca na geração de emprego e renda

07.04.2020 - Por Bayer Jovens

É chegada a data mais doce do ano! A páscoa tradicionalmente é celebrada com o consumo de ovos de chocolate, mas o ingrediente que é a estrela da festa se destaca em todas as celebrações do ano em forma de bolos, docinhos, biscoitos, bebidas, caldas e recheios diversos. O que seria do mundo sem o chocolate? Ou melhor, o que seria da fabricação do doce sem o cacau?

A apreciação da origem do chocolate se mistura com a história da cacauicultura. O fruto que dá origem ao quitute revela a força da agricultura brasileira, colocando o Brasil na posição de sétimo maior produtor de cacau do mundo. A cadeia produtiva do cacau colhe cerca de 250 mil toneladas por ano e tem um PIB que ultrapassa R$ 20 bilhões.

“A grande vantagem do Brasil na área da cacauicultura é que nenhum país do mundo tem todos os elos da cadeia produtiva do cacau. O Brasil é produtor, é moageiro, tem indústria de processamento e é consumidor de chocolate”, afirmou Manfred Muller, coordenador-geral da Ceplac, em comunicado do Ministério da Agricultura. A Ceplac (Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira) é um importante órgão público que investe em pesquisa e apoia os produtores de cacau.

A cacauicultura teve sua fase de glória na década de 1980, quando atingiu o pico de produção, com colheita superior a 450 mil toneladas. No entanto, o setor penou com o avanço da doença vassoura-de-bruxa, provocada pelo fungo Crinipellis perniciosa, que dizimou milhares de árvores especialmente na Bahia. De lá para cá, os produtores têm investido em tecnologia para melhorar o manejo contra pragas e doenças e aumentar a produtividade dos cacaueiros e retomar o auge da produção.

Tradicionalmente, a Bahia figura como o maior estado produtor de cacau, seguido pelo Pará que está avançando rapidamente no setor. Além de atender à demanda da indústria do chocolate, o cacau representa uma cadeia com grande impacto social por empregar muita mão de obra. O setor mobiliza pelo menos três milhões de pessoas em 110 municípios produtores, enquanto o estado do Pará estima o envolvimento direto e indireto de 300 mil trabalhadores. “O cacau tem um apelo social e um apelo de sustentabilidade. Ele é ambientalmente favorável, socialmente benéfico e economicamente viável”, afirmou Muller no comunicado do Ministério da Agricultura.

Alimento nutritivo

O cacau também desempenha um importante papel na nutrição humana. É um fruto rico em flavonoides, uma substância com função antioxidante e anti-inflamatória que combate os radicais livres, pode reduzir o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares e previne o envelhecimento precoce, trazendo benefícios principalmente para a pele. “Pelo cacau ser um alimento rico em vitaminas, como a A, B1 e E, e minerais importantes, como ferro, magnésio e zinco, ele traz elementos importantes para a saúde do organismo e, consequentemente, para a saúde da pele e dos cabelos”, afirmou a dermatologista Andrea Frange, em notícia na revista Claudia.

Para comer chocolate sem culpa durante a Páscoa e aproveitar todos os nutrientes do cacau, a recomendação é consumir chocolates que apresentem a maior concentração do ingrediente e, consequentemente, menos açúcar e gordura. “O primeiro produto da lista de ingredientes do chocolate deve sempre ser o cacau, com concentração acima de 60%. Nesta condição, o consumo de até 30g pode ser diário”, afirmou Dionara Dourado, nutricionista e representante do Conselho Regional de Nutrição da 9ª Região, em notícia do UOL.

Publicado em Mosaico
Bayer Jovens