Home > Ciência & Inovação > Teletransporte: uma realidade possível?
Ciência & Inovação

Teletransporte: uma realidade possível?

A atividade científica sempre esteve presente no nosso imaginário e a indústria do entretenimento constantemente nos estimula a sonhar com tecnologias que parecem impossíveis!

21.10.2019 - Por Paulo Valim

Você já deve ter visto em alguns filmes ou seriados de ficção científica em que há personagens que são capazes de se teletransportar. Já vimos isso acontecer em Star Trek, Homens de Preto e Harry Potter!

Imagine só começar o seu fim de semana correndo em uma praia na Grécia, logo depois se teletransportar para São Paulo e comer um delicioso pastel numa feirinha, visitar a família em Goiás e a noite ir dar um rolé em Tóquio.

O meu fim de semana ideal ainda vai ficar no meu imaginário por um bom tempo, já que o teletransporte de humanos ainda é uma realidade distante, mas saiba que partículas já foram teletransportada por cientistas em laboratório.

Teletransporte: uma realidade possível?

O primeiro estudo de teletransporte

O cientista que obteve os primeiros resultados positivos em suas pesquisas sobre teletransporte foi o físico inglês Samuel Braunstein. O pesquisador da Universidade de York (Inglaterra) utilizou a técnica do entrelaçamento para teletransportar um feixe de raio laser em seu laboratório.

O emaranhamento ou entrelaçamento possibilita que partículas com as mesmas propriedades estejam de certa forma ligadas, mesmo que uma esteja distante da outra. Isso quer dizer que se uma das partículas sofre alguma alteração a outra também sofrerá, mesmo que uma esteja distante da outra!

Na década de 90, Samuel abriu caminhos para que novos pesquisadores buscassem alcançar resultados mais significativos!

O teletransporte de um átomo

No ano de 2014, na Universidade de Tecnologia Delft, estudiosos conseguiram realizar o teletransporte de um átomo pela distância de três metros. Falando assim parece pouco, certo? Mas se lembramos que o átomo é extremamente minúsculo esse é um resultado expressivo.

Para efeito de comparação, se o átomo fosse do tamanho de uma cabeça de alfinete, seria o mesmo que teletransportá-lo pela distância de 30.000Km. Por isso o estudo realizado por Ronald Hanso foi um passo importante para que pesquisadores explorassem distâncias maiores.

O experimento dos chineses

Um grupo de renomados pesquisadores chineses publicou um artigo na revista Science em 2017 contando sobre uma conquista científica que até mesmo Einstein duvidaria! Liderados por Jian-Wei Pan, os pesquisadores conseguiram realizar o teletransporte quântico entre a Terra e o espaço. Isso mesmo, o espaço! E a uma distância de 1200 km.

O satélite Micius foi essencial para que o experimento fosse realizado. Ele foi colocado em órbita no ano de 2016 a cerca de 100km da Terra. O objetivo era enviar partículas quânticas emaranhadas para quebrar os recordes anteriores deste feito científico.

Micius é um receptor de fótons (CONCEITO) que é muito sensível e capaz de detectar os estados quânticos de fótons disparados do solo. Isso é possível pela rede quântica estabelecida entre o satélite e o solo da Terra.

Como essa tecnologia pode beneficiar a humanidade?

Desculpa te deixar triste, mas não é agora que você será capaz de se teletransportar como o Noturno (personagem da Marvel). Charles Bennet, um físico americano, comprovou que o teletransporte é possível, mas o que chega ao destino não é o passageiro e sim uma cópia. Isso é explicado pelo entrelaçamento das partículas.

Então por mais que eu queira acordar na Grécia, visitar minha família em Goiás e dar um rolé na noite de Tóquio, não seria realmente eu que teria essas experiências diferentes em um único dia e sim uma cópia minha. Meu corpo, memórias e emoções estariam materializados em átomos diferentes, mas que estariam conectados com os átomos do corpo que está aqui sentado escrevendo esse texto para vocês.

Quando falamos em benefícios que o teletransporte pode trazer para a humanidade devemos pensar principalmente na comunicação. O que os cientistas chineses estão criando é uma rede de comunicação quântica. Isso pode tornar a telecomunicação mais rápida e segura do que os padrões atuais. É possível que em breve a humanidade viva uma nova revolução da Internet.

A evolução das tecnologias acontece a passos largos! Todo dia uma novidade é anunciada e ideias que existem no nosso imaginário estão cada vez mais perto de se tornarem realidade. Como você pensa que o teletransporte poderia facilitar a nossa vida para além das melhorias na comunicação?

Paulo Valim
Paulo Valim

Ciência & Inovação

Paulo Valim é professor, químico e fundador do canal Química em Ação, que hoje conta com mais de 600 mil inscritos no Youtube. Apaixonado por educação e inovação, tem como missão democratizar o ensino de ciências no Brasil. A opinião expressa nos artigos é de responsabilidade dos colunistas convidados e não correspondem à opinião da Bayer como empresa.