Home > Saúde e bem-estar > Sexo mais que seguro
Saúde e bem-estar

Sexo mais que seguro

Mês de carnaval é tradicionalmente uma época de prazeres e de... Falar sobre sexo seguro!

08.02.2013 - Por Laura Muller

Sim, a turma que trabalha com prevenção às doenças sexualmente transmissíveis dá grande ênfase às campanhas preventivas no período de folia. E a gente aqui também vai falar sobre isso neste mês, claro.

Mas antes de começar as dicas para viver o sexo de forma saudável e prazerosa, é importante dizer o seguinte: não é apenas no carnaval que a gente deve dar atenção a esse tema, ok? Sexo com camisinha pode até fazer muita gente torcer o nariz, mas é a única forma que a gente tem para viver o prazer sem preocupações com a possibilidade de se contaminar com vírus e bactérias transmitidos pelo sexo e que pipocam cada vez mais por aí.

Para o assunto não ficar chato, que tal a gente abordar os mitos e as verdades do sexo seguro? Vamos lá:
 

  1. “Sexo oral não transmite aids.” MITO! Pode transmitir sim, não só a aids como outras doenças sexualmente transmissíveis, como o vírus HPV, que costuma causar verrugas na região genital, e também na garganta, por conta do sexo oral sem camisinha. Ou seja, para fazer sexo oral no homem, use o preservativo. E na mulher? A camisinha feminina é a opção mais indicada: ela é mais difícil de ser encontrada, mas está à venda em algumas farmácias e é distribuída de graça em alguns postos de saúde brasileiros.
     
  2. “Depois do sexo anal, é preciso trocar a camisinha.” VERDADE! Caso contrário, as bactérias que habitam o ânus podem ser transportadas, por exemplo, para a vagina, causando assim infecções. Vale complementar: o sexo anal é, das práticas sexuais, a que mais oferece risco de contaminação com as DST. Isso porque a prática anal costuma causar pequenas lesões, às vezes até imperceptíveis, na região do ânus. E, mesmo que a gente não as perceba, elas são portas gigantescas de entrada para os mais variados vírus e bactérias.
     
  3. “Usar duas camisinhas ao mesmo tempo é mais seguro do que vestir uma só.” MITO! Uma camisinha já é o suficiente para a proteção. Pode ser a masculina ou feminina, tanto faz: ambas são seguras e o casal deve escolher a que mais lhe agrada. Usar duas ao mesmo tempo não é seguro: o atrito de uma camisinha na outra, ao vestir ou durante os movimentos da penetração, pode fazer com que elas se rompam ou se danifiquem de alguma forma, perdendo assim a capacidade de proteger o casal contra as doenças sexualmente transmissíveis.
     
  4. “Não é apenas a camisinha que protege contra as DST.” VERDADE! Os especialistas em combate à epidemia de aids e de outras doenças sexualmente transmissíveis recomendam atitudes saudáveis a serem somadas ao uso da camisinha. A principal: a escolha da parceria amorosa: sexo não é tapinha nas costas nem aperto de mão, não é mesmo? Então, é mais saudável fisica e emocionalmente quando a gente seleciona bem com quem vai para a cama. O mais bacana é fazer sexo com alguém que for, de fato, especial para a gente.
     
  5. “Se fizer o teste e der negativo para aids, então tudo bem abolir a camisinha.” MITO! O teste informa o seu estado até o momento em que o exame foi feito, mas não previne futuras contaminações. Ou seja, fazer o teste para verificar se tem aids é uma atitude importante, mas não elimina a necessidade de continuar usando camisinha na penetração vaginal e também no sexo oral e anal.
     
  6. “Não é toda prática sexual que transmite doenças.” VERDADE! A masturbação pode ser feita sem camisinha, pois não oferece risco de contaminação com as DST. Mas essa é a única prática sexual que não requer o uso do preservativo, seja quando você se masturba ou quando toca a pessoa com quem está na cama. Como a gente já disse aqui, o sexo oral, o anal e a penetração vaginal exigem uso de camisinha, sempre!
     
  7. “Ficar brincando com o pênis por fora da vagina não transmite DST.” MITO! Esfregar os genitais um no outro, seja vagina em vagina, pênis em pênis, ou pênis em vagina, podem sim transmitir doenças, como o HPV (Papiloma Vírus Humano), por conta desse contato. Ou seja, não há saída: assim que o pênis ficar ereto, e antes de qualquer contato sexual, é importante vestir a camisinha. E quando forem duas mulheres na cama, é importante usar a camisinha feminina para que o sexo permaneça seguro.

E o que mais? Ah, acho que a gente já falou bastante sobre esse tema. Então, passe na farmácia ou no posto de saúde caso a sua ideia seja viver muitos prazeres de forma saudável, consciente e responsável. Seu corpo, certamente agradecerá. Bom Carnaval!