Home > Meu Trabalho na Bayer > Como ganhar um sim em meio à pandemia e dar orgulho para quem mais se ama
Meu Trabalho na Bayer

Como ganhar um sim em meio à pandemia e dar orgulho para quem mais se ama

Meu pai é este bonitão da foto – o meu herói, guerreiro, homem negro, forte e incrível.

28.09.2020 - Por Meu Trabalho na Bayer

Ele é vendedor ambulante junto com minha mainha, que também é uma mulher incrível, forte, determinada e maravilhosa: o meu presente maior é uma doméstica e dona de casa. Sem eles, a minha história não existiria. Sou a primeira da minha família a ter ensino técnico, sou formada em automação industrial e também a primeira a ingressar em uma universidade

Durante essa pandemia, e com muitas incertezas, participei do processo seletivo da Bayer. Eu me conectei com os valores da empresa, mas entre eles escolho destacar a integridade e a flexibilidade. A integridade por meio da minha história e a dos meus pais; a flexibilidade porque sempre fui uma mulher na tecnologia, trabalhando com grandes equipes (em sua maioria, masculinas), e, a todo momento, tive que mostrar serviço e capacidade para executar minhas tarefas.

No desenvolvimento da última dinâmica do processo seletivo, eu levei algumas ideias que estavam conectadas com os valores da Bayer e da Organização das Nações Unidas (ONU), pensando na realidade do nosso país. Dentre os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, o que mais chamou a minha atenção foi o segundo, que fala da fome zero e da agricultura sustentável. A Bayer trabalha muito bem com os estudos e projetos voltados para o agro, e com isso pude direcionar minha fala na dinâmica, com ações que poderiam ser realizadas.

Na entrevista, junto com o gestor e a responsável do RH, tive uma conversa bem descontraída, foi algo leve e dinâmico. Porém, quando me perguntaram por que eu gostaria de estar na Bayer, eu me lembrei dos meus pais. Eu lembrei que como uma mulher negra e nordestina, não havia muitos lugares de destaque com os quais um dia eu poderia sonhar em estar nesta empresa. Entretanto, a Bayer propõe diversos projetos positivos, como o grupo de afinidade BayAfro, e sabemos que temos muito que avançar.

Este longo texto é para falar que o meu “sim” chegou, e hoje faço parte do time Bayer. E o melhor de tudo: com um gestor incrível, uma equipe maravilhosa e de home office na Bahia, junto aos meus. Assim que essa pandemia passar, retornarei para esta grande cidade chamada São Paulo, e enquanto isso não acontece, estou junto da minha família – e com muito amor compartilho a minha história.

Na Bayer, trabalho com o que amo: tecnologia. Com uma equipe sensacional, atuo habilitando tecnologias e governança, agindo em colaboração com áreas relacionadas, para definir padrões e fomentar o uso de AI (Inteligência Artificial) na companhia.

Pensando no futuro, espero estar em uma posição de liderança, para que outras meninas negras possam enxergar em mim uma referência. Sei que já me tornei exemplo em meu bairro e em minha família, mas meu desejo vai ainda mais longe: fazer a diferença para as gerações futuras, sendo admirada e respeitada como os meus pais.

Julia da Conceição Santos

Julia da Conceição Santos cursa Sistema da Informação e faz parte do time Technology Enabling.