Home > Mosaico > Arcade Fire e o Haiti
Mosaico

Arcade Fire e o Haiti

O septeto canadense Arcade Fire recentemente voltou ao noticiário musical por estar preparando um disco para ser lançado em 2013.

27.12.2012 - Por Gaía Passarelli

A banda, comandada pelo guitarrista e vocalista Will Buttler, traz na bagagem três discos bem-recebidos pelo público e pela crítica (Funeral, de 2004, Neon Bible, de 2006 e The Suburbs, de 2010) e já repartiu palco com David Bowie, LCD Soundsystem e Bruce Springsteen. Mas apesar de tudo isso segue firme na categoria indie.

O que não impediu o Arcade Fire de, em 2010, emplacar a bela “Wake Up” no palco do Super Bowl, o minuto mais caro da televisão norte-americana. A inclusão da canção, um hino com mais de cinco minutos, na final da liga de futebol americano, ajudou a tornar o Arcade Fire mais conhecido. Mas, mais importante, ilustrou os esforços da banda no Haiti, uma vez que 100% dos royalties de licenciamento da música foram para os esforços de reconstrução do país.

É comum, e importante, que em situações de calamidade, de emergência, bandas e artistas conhecidos se posicionem, oferecendo apoio, tocando em concertos beneficentes, divulgando causas. A reconstrução do Japão após os terremotos, por exemplo, mobilizou de Willie Nelson à Lady Gaga. O que então torna especial a relação do Arcade Fire com o Haiti?

Em primeiro lugar, a longevidade desse envolvimento, que começou após o dramático terremoto que destruiu o país em 2010. O primeiro álbum do Arcade Fire (Funeral, de 2004) trazia no setlist “Haiti”, cantada pela vocalista Régine Chassagne.

Essa dedicação ao Haiti é motivada pela herança cultural de Régine, casada com o band-leader e principal vocalista, Will Butler. Régine nasceu e cresceu numa cidade pequena perto de Montreal, mas é filha de imigrantes haitianos que receberam asilo político do Canadá durante a ditadura de François Duvalier na pequena ilha caribenha. Em “Haiti” ela canta “mes cousins jamais nés hantent les nuits de Duvalier” (“meus primos não nascidos assombram as noites de Duvalier), em referência aos seus parentes mortos no massacre conhecido como Jérémie Vespers.

Em segundo, a insistência dos integrantes da banda em não abandonar a causa. Atuando em parceria com a entidade Partners in Health, em 2011 e 2012 a banda fez várias visitas ao país (http://www.arcadefire.com/blog/footage-we-took-in-haiti), incluindo alguns shows.

Durante sua primeira apresentação no Saturday Night Live, em 2007, mesmo ano em que a banda firmou parceria com a Partners in Health, a guitarra de Butler trazia escrito “sak vide pa kanpe”, provérbio haitiano que significa “um saco vazio não para em pé”, na época considerado referência à extrema pobreza do país.

A banda também se apresentou em concertos beneficentes e eventos da organização J/P Haitian Relief Organization, do ator Sean Penn - outro devotado e atuante incentivador da reconstrução do Haiti. Penn, segundo o site IMDB, estaria planejando um grande concerto beneficente no Haiti em janeiro de 2013, para marcar o aniversário do terremoto que devastou a infraestrutura do já castigado país.

Outros esforços:

Hope for Haiti Now (http://en.wikipedia.org/wiki/Hope_for_Haiti_Now_(album))

J/P Haitian Relief Organization do Sean Penn (http://jphro.org/)

Haiti Benefit Concert (http://www.youtube-nocookie.com/watch?v=P9AJunhGpcg)

(crédito da foto: Leah Gordon http://www.leahgordon.co.uk/)

Publicado em Mosaico