Home > Plural > Acolhido no trabalho e na vida
Plural

Acolhido no trabalho e na vida

“Foi com a participação no programa de Inclusão & Diversidade da Bayer, aqui no site de Belford Roxo, que eu me vi acolhido e à vontade para assumir minha homossexualidade no trabalho e na vida”

17.04.2020 - Por Diversidade

Para a maioria de nós, o trabalho já é desafiador por si só. Imagine atrelado a todos esses desafios diários, carregar o peso emocional de ter de negar e suprimir um dos aspectos mais fundamentais de quem você é - sua orientação sexual - porque ela não está de acordo com as normas sociais. Já faz um tempo que discussões tão importantes envolvendo inclusão e diversidade no ambiente corporativo têm se tornado realidade para um número cada vez maior de empresas, inclusive a nossa. E é por resultados dessas reflexões que hoje posso ser quem sou no meu ambiente de trabalho.

Tenho 32 anos de Bayer, um filho, sou separado e gay. Durante muitos anos, antes do programa de I&D na empresa, revelar minha orientação sexual no local de trabalho era um problema, pois achava que o ambiente poderia não ser favorável. Aos poucos, com o surgimento das discussões sobre I&D na Bayer e, particularmente, a existência do BLEND, nosso grupo de afinidade interna para tratar esse tema, comecei a repensar sobre minhas convicções.

Por muito tempo não me sentia confortável em falar para familiares e amigos sobre ser gay e muito menos no ambiente de trabalho. Eu não tinha condições de assumir minha orientação sexual para ninguém, por uma série de fatores, que aos poucos fui trabalhando na terapia e compreendendo a homossexualidade como algo muito positivo e não como um problema na minha vida. Aos 39 anos me separei e, quando meu filho completou 18 anos, eu conversei com ele e com minha ex-esposa sobre minha orientação sexual. Aos 49 anos, assumi minha orientação sexual para meus pais e falei abertamente na Bayer.

Hoje, tenho excelente relação com minha família, que é, sem dúvida, uma forte base para mim. Tenho total apoio de meus pais e irmã, bem como do meu filho. Esse é o mesmo sentimento que tenho na Bayer: que sou acolhido por amigos. Aos poucos, percebi que poder falar sobre homossexualidade para outras pessoas, seja no meu local de trabalho ou em minha vida pessoal é, de fato, uma oportunidade de desconstruir estereótipos sobre esse universo que é tão rico e ao mesmo tempo tão desconhecido.

Para mim, o principal motivo em participar ativamente do BLEND hoje é poder colocar o holofote sobre questões que importam e me mostrar como ser humano integral. Poder contribuir com ações afirmativas na unidade em que trabalho e ter avanços em vários aspectos é o que me motiva a continuar. O BLEND abre espaço de discussão e debate sobre os temas que são essenciais para a desconstrução de diversos paradigmas, que ultrapassam as barreiras físicas da Bayer, além de trazer para a consciência algumas dificuldades e desafios enfrentados por nós LGBTQIA+.

Como se fosse ontem, me lembro do primeiro café da manhã que fizemos em Belford Roxo com o time de voluntários do Comitê de Inclusão e Diversidade local. Foi ali que assumi ser gay em público pela primeira vez. Foi um dos dias mais importantes para mim, pois significou sair da invisibilidade. Posso dizer que isso fez uma grande diferença na minha vida e foi como um ápice de um processo que durou muitos anos.

Geraldo Fontoura é Gerente de Saúde, Segurança e Meio Ambiente da Bayer em Belford Roxo (RJ)

Publicado em Plural